sexta-feira, 11 de junho de 2010

Vinte e três, com cheiro de espírito adolescente

Eu fui um adolescente romântico, cheio de referências, que sonhava com o amor perfeito e um primeiro beijo estrelado ao som de sinetas mágicas.

Boolshit.

Nada disso veio. Meu primeiro beijo foi aos 16 anos, com impulsos mais empíricos que românticos. Amor perfeito? Que isso?
A verdade é que a adolescência foi decididamente a pior parte desta minha ainda curta vida. Mas hoje eu olho pra trás e percebo que não dei muita chance ao acaso, por uma série de razões confusas demais para citar.

Fato é: anos passaram, e hoje eu estou seriamente desiludido com a dinâmica das relações entre gentes - relações sentimentais, que sejam. Um tempo atrás, conclui que não está nos planos do universo que eu vá namorar alguém algum dia; aí todo mundo tentou me confortar e me convencer do contrário, como se fosse um destino indigno para qualquer ser humano. Sendo que, eu (a pessoa mais interessada no assunto) estou bastante tranquilo com o veredicto do universo.

Hoje, aos 23, e com um histórico de relações seriamente fracassadas, eu sei que não quero me envolver com ninguém, não quero partir minha intimidade ao meio, ou compartilhar meus segredos, tampouco me envolver com sexos alheios. Eu sei que eu não quero.
Por algum motivo, eu voltei para a adolescência: hoje eu saio e tudo que eu quero é um beijo. Daqueles sem compromisso, daqueles de adolescente em balada. E, tal como era naqueles tempos, o desejo vem carregado da insegurança. Cá estou eu, revivendo tudo outra vez, mas sem aquela esperança cega, porque ao menos o que eu aprendi de lá até aqui ficou devidamente anotado: nada de viver sonhando com amor de cinema.

Hoje eu resolvo ir a festas, louco por um beijo na boca descomplicado (e nada mais que isso), contudo, volto pra casa com 15 anos e um saldo de frustrações e histórias de finais ruins, porque só agora resolvi viver o que àquela época não vivi.

É patético. Não é nada fácil.

12 comentários:

  1. oi, sou seu fã deis do começo do ano, adoro o seu blog por ter muito conteúdo legal e filmes que tem bons roteiros (amei Heights) Estou sempre por aqui vendo se voce atualizou o blog mas nnca comento, mas hoje nessa madrugada fria li esse seu texto e no final me deu um calafrio estranho! Tipo um sinal... Seu texto pode ter sido escrito de improviso, pode não ter tido muita importância pra alguns, mas acho que vou começar a viver a vida a partir de agora antes que me arrependa!

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  2. Eai Joe
    tudo bem??
    faz um tempinho que não comento né?
    Hehehe, êh que agora coloquei o seu blog como RSS feed no meu celular então acaba não dando pra comentar, só ler... Mas enfim, todos os dias atualizo pra ver se tem post novo...
    Mas comentando sobre seu post acima, é engraçado como somos muito parecidos em algumas coisas... Gosto musical (amo Christina), pensamentos e principalmente nas "desilusões"... Desde que li um post seu um tempo atras, de que " talvez vc não tenha nascido para ser amado, ou algo assim", tive pensando varias semelhanças em relação a isso... Eu tbm acho q não nasci pra viver uma grande paixão, pra ter um namoro tórrido e arrebatador... Talvez eu também tenha nascido com o triste (ou feliz) destino de não ser amado... No fundo não sei se isso é bom ou ruim, mas sei que algo falta mas ao mesmo tempo isso me completa. Mas enfim... Vamos vivendo, quem sabe um dia isso muda, ou não. Oque eu sei é que somo estranhos e parecidos... Hehehe

    super abraço
    e vê se aparece em sampa hein?! Hehe

    ResponderExcluir
  3. @Rafael Gustavo: obrigado pelas visitas, que bom que curte o conteúdo que eu posto. em brve terei mais tempo para assistir outros filme, e portanto, postar novos filmes.
    Este post eu escrevi, sim, de improviso, mas cheio de ideias que me incentivaram, ideias que precisavam pular para fora da minha cabeça. escrevi há alguns dias, e deixei salvo como rascunho, e só depois acabei postando. e hoje eu leio ele e sei que ele não explica nem 1 terço do que eu queria expressar, mas é assim mesmo, eu sempre tenho essa dificuldade. mas que bom que serviu como alerta para voce. eu sempre fui muito timido e muito reservado, na verdade muito complicado, e por isso me privei de tantas coisas. espero que vc consiga trilhar outro caminho e ser bem mais feliz. eu fui feliz tambem nessa epoca, mas de outra forma, com outros personagens, e outros efeitos. fui feliz de amigos, que no fundo vale muito mais. mas não se prive das coisas, que a vida é pequena demais.
    ouça a voz da experiencia. hehehehe
    obrigado pelo comentário, volte sempre que quiser.
    boa sorte!

    [j]

    ResponderExcluir
  4. @ZinhO hey guri! gente, to me sentindo o bonzão, né? vc aí me acompanhando diariamente no celular, o outro ali diz que é meu fã... hehehe ai ai, que bacana, brigado.
    então, guri. é assim mesmo, sabe. eu realmente acredito nisso agora como a verdade da minha vida, mas como você disse, pode ser que mais à frente o caminho mude, pode ser. só sei que não quero viver pensando no que "pode ser", eu prefiro me acostumar com o agora, e viver o agora do jeito que eu puder. e realmente somos parecidos, isso é bom, assim não nos achamos tão perdidos e isolados no mundo, né? e enquanto isso a gente vai vivendo. Boa sorte para nós!

    Olha, estou de passagem comprada para SP, pro final de julho, ok? Manda o friozinho me esperar, que eu tô chegando em breve.
    Té mais.

    [j]

    ResponderExcluir
  5. Oi Joe.

    Seus textos são tão filosóficos que deixa o meu ego assim, lá nas alturas por acompanhar seu blog.

    Abraços

    Leo

    ResponderExcluir
  6. Awn, vocês é que são simpáticos demais. para! heehehe

    [j]

    ResponderExcluir
  7. Eu não conseguiria, por mais que quisesse, expor as minhas frustrações ou inseguranças em um blog. Ainda mais com tamanha perfeição, sensibilidade e desprendimento com que você escreve. Só quero deixar registrado que não há nada demais em viver um pouco diferente do que dita a sociedade.
    Uma imagem pode valer mais do que mil palavras, mas suas palavras velem por mais de mil imagens.
    Parabéns pelo blog. Desde que o descobri, me sinto obrigado a visitá-lo todos os dias. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. @Juliano: Primeiro, brigadíssimo pelo comentário. Fico contente quando algo que eu escrevo atinge outras pessoas dessa forma. Obrigado mesmo pelo que disse.
    A verdade é que eu me exponho assim porque eu meio que preciso. Explico: eu escrevo esses textos como parte de um processo de auto conhecimento mesmo, tenho uma enorme dificuldade de me explicar, e, portanto, de me entender, e por isso preciso me estimular a todo tempo. Além de escrever esses textos, eu os posto porque sei que tenho que botar o pé no mundo e ir à luta. sempre tive dificuldades de me impor, de me posicionar mesmo, tenho problemas com o convivio social, de diversas raízes, e por isso expor meus textos me faz sentir como se me esforçasse para melhorar. No fundo mesmo, escrevo neste blog por mim, mas se posso dividir minhas loucuras com outros que se identificam, então é mais uma vantagem.
    Bom, fique a vontade, volte quando quiser. E valeu pelo elogio todo!
    Tudo de bom,

    [j]

    ResponderExcluir
  9. Para alguém que diz ter dificuldade de se expressar, você produz textos muito, muito bem escritos que são uma janela para a sua alma.

    Gostaria de saber mais sobre o que quer dizer quando diz ter problemas com o convívio social.

    Daniel de Brasília

    ResponderExcluir
  10. @Daniel: o texto me dá a chance de me expressar melhor, porque me dá tempo de parar e refletir, analisar a situação mais amplamente. Mas obrigado pelo comentário.
    Entre outras complicações, a timidez me causa um transtorno nas relações sociais. Não só a timidez, mas a bagagem de timidez que carrego desde pequeno, e os efeitos disso desde essa época, que ainda hoje limitam minhas habilidades de viver em sociedade lá fora, no mundo real - e muitas vezes aqui, por escrito, também. São inseguranças de diversas fontes que me fazem prender uma parte de mim. Sabe mecanismos de defesa, introversão e extroversão? então, eu posso ser definido como um indivíduo introvertido, conforme a Psicologia. Evito contatos, evito me expor, tendo a achar que os meus defeitos e qualidades negativas estão em evidencia quando estou em grupo, essas coisas que Freud explica. Mas enfim, o que importa é que aos poucos estou entendendo isso, e começo a ter ferramentas para progredir.
    Obrigado pela visita!

    [j]

    ResponderExcluir
  11. Joe, como você mesmo disse, creio que você, se encaixa na classificação de introvertido.
    "Extraversion vs. Introversion
    Extraversion and Introversion are one of the preferences used in the Jungian Type Inventory. The naming is about where people get their energy and motivation from: other people or within themselves.
    Extraversion
    The energy of extraverts is outward, towards people and things. They need a lot of stimulation and often express emotions. They get their motivation from other people.
    They often want to change the world (rather than think about it). Extraverts like variety, action and achievement. They do well at school but may find University more difficult.
    Their attitude is often relaxed and confident. They are understandable and accessible. They tend to act first and think later.
    At work, they seek variety and action and like working with other people. They prefer work that has breadth rather than depth.
    Extroverts are energized by people, and wilt or fade when alone. They often seem bored by themselves, in both senses of the expression. Leave an extrovert alone for two minutes and he will reach for his cell phone.
    In contrast, after an hour or two of being socially "on," we introverts need to turn off and recharge.
    Introverts may see them as being shallow and pushy.
    Introversion
    The energy of introverts is inward toward concepts and ideas. They need little external stimulation - and in fact they can easily be over-stimulated. It is possible that they focus more on their inner worlds because they suffer from sensory overload if they spend too much time outside and focusing on other people. They thus bottle up their own emotions, which can explode if pushed too far.
    Introverts are people who find other people tiring.
    Rather than trying to change the world, they just want to understand it. They think deeply about things and often do better at University than they did at school.
    Their attitude is reserved and questioning and they can seem subtle and impenetrable. They tend to think before they act.
    At work they like to work alone and often seek quiet for concentration. They tend to prefer work that has depth rather than breadth.
    Extraverts may see them as egocentric and passive."

    Demorei muitos anos para me entender melhor e me aceitar, em termos de personalidade e sexualidade. Hoje aos 42, sei que não há nada de errado em ser introvertido.

    Abraço,
    Daniel de Brasilia

    ResponderExcluir
  12. @Daniel: te disse! E não é exatamente algo ruim, eu sei me portar de forma extrovertida em certas situações. No geral, predomina o comportamente introvertido, mas o importante é que aos poucos vou aprendendo a lidar de forma a balancear os dois. Não é errado ser introvertido, de fato, mas o excesso é que deve ser evitado, porque qualquer ums dois em excesso é patológico, né?
    Mas valeu pelo comentário!
    Volte quando quiser!
    Tudo de bom,

    [j]

    ResponderExcluir

© 2008-2017 wando joe [ from joe ]