sexta-feira, 22 de outubro de 2010

As coisas vão melhorando

A ordem das notícias nos últimos tempos seguiu assim:
adolescentes gays sofrendo bullying -> adolescentes gays cometendo suicídio -> comoção social -> canal de apoio no YouTube.

O It gets better tá aí, crescendo em número de vídeos e em visibilidade, principalmente com o envolvimento de figuras como Adam Lambert, Chris Colfer e até o presidente Barack Obama.

Lembrei de um movimento semelhante que se espalhou de forma espontânea pela rede, depois que um guri postou a história de quando se revelou gay. O outing de Dan Heagney incentivou inúmeros outros rapazes a postarem suas histórias em resposta, gerando uma cadeia de vídeos sob o título Coming out Archive.



 

Hoje eu fiz um video contando o meu outing, ficou um mix de It gets better com Coming out Archive. Mas preferi não postar, porque ainda não é hora pra essa exposição.

Estou tratando desse assunto especialmente hoje, porque é quando completo oito anos de gay assumido. No dia 22 de outubro de 2002, minha mãe e eu conversamos sobre minha sexualidade. Ela me perguntou: Você é homossexal? E eu, olhando pra baixo, assustado, respondi: Sim.

Quando eu era criança, eu tinha muito medo do que poderia acontecer se meus pais descobrissem que sou gay, então pensava que, naturalmente, poderia viver pra sempre sem que ninguém soubesse,e assim ninguém teria problemas. Aí veio a adolescência. Não deu pra administrar esse plano em meio a tantos desesperos e anseios que ocupavam minha cabecinha sofrida, na época.

Depois da conversa com minha mãe, de repente me senti livre para ser assim, esse eu de verdade. Tomei coragem e corri pra contar pra minha melhor amiga. O nervosismo era tanto que escrevi numa carta, entreguei pra ela e esperei trancado no banheiro enquanto ela lia. Ela aceitou tão bem, que aos poucos fui me libertando e abrindo o jogo pra todos os meus amigos, um por um - os mais difíceis, por último.

Por ser muito introvertido, passei por muitas situações complicadas, e com meu talento pra me apaixonar pelos caras errados, sofri bastante, mas como qualquer adolescente - gay ou não gay. Ainda hoje é complicado (vide este blog inteiro), mas concordo com a frase da galera dos vídeos: vai tudo melhorando, num processo.

Por fim, eu costumava achar que todo gay um dia teria que chegar ao momento do outing, porque só assim ele seria uma pessoa completa, livre e feliz. Dias atrás eu me toquei que não é exatamente assim. As pessoas tem realidades diferentes, e muita gente vive feliz e satisfeita sem se revelar pro mundo como eu escolhi fazer.
O importante, afinal, é continuar seguindo, correr atrás da própria vida, e acreditar que as coisas vão melhorar. Elas melhoram, sim.

17 comentários:

  1. Puxa. Oito anos.

    No meu caso, abandonei o armário há exatamente 4 meses e 22 dias... e apenas para algumas pessoas.

    Concordo que "sair do armário" não é uma regra absoluta para a felicidade gay. Como tudo que concerne aos seres humanos, isso depende da vida e do jeito de cada um.

    Pra mim, foi um alívio. Não posso dizer que tudo está bom. Mas sinto que sair do armário foi um grande primeiro passo.

    E estou aí, caminhando. Às vezes cabisbaixo, às vezes devagar... até mesmo para trás. Mas sempre caminhando!

    Muito bom o seu post!

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Lindíssimo post, Joe. Super verdade. As coisas melhoram a um ponto que eu era capaz de na próxima encarnação voltar gay novamente. Porque o processo de realização quando estamos bem é muito melhor que o do HT que não passa por isso.

    Agora, eu adoraria ver esse vídeo. manda pra mim, vai?????? Já viste o meu post do meu pau preso na bermuda? Foi minha maior exposição ever!!!

    E ó, se primo não quiser te aceitar, a gente aceita. Aqui em casa tem um sofá cama que é duro, mas tenho certeza que a senhora já passou por durezas maiores. rs

    bjão!

    ResponderExcluir
  3. Joe,
    É esse seu lado de compartilhar suas estórias, seus sentimentos que me cativa. Adoro visitar este seu blog...
    Com certeza cada um tem sua história e "sair do armário" não é uma opção para todos. Agora pelo seu belo sorriso na foto, seu "coming out" lhe fez muito bem!
    Parabéns pelos 8 anos, Joe.

    Daniel de Brasília

    ResponderExcluir
  4. achei engraçado isso de oito anos... parece aniversário.

    mas concordo com essa historia de que cada ve a coisa de um jeito. o outing nem sempre é o que todo mundo precisa. tem gte que precisa é dessa discrição e não é por isso que elas são piores.

    ainda tem muita gte que tem q saber, mas eu não quero contar... elas não são importantes.

    ResponderExcluir
  5. Achei muito bacana a sua história - fiquei emocionado. Ainda bem que hoje temos a internet para poder compartilhar histórias de vida e perceber que não estamos sozinhos. Eu me sinto muito mais forte sabendo que existe tanta gente lá fora igual a mim e que passou ou está passando pelos mesmos questionamentos, as mesmas angústias, e as mesmas certezas. Eu amo muito tudo isso.
    Grande abraço,
    Muque de Peão

    ResponderExcluir
  6. "O importante, afinal, é continuar seguindo, correr atrás da própria vida, e acreditar que as coisas vão melhorar. Elas melhoram, sim."

    resume tudo.
    belíssimo texto.


    beijo

    ResponderExcluir
  7. Carinha bacana você heim?
    Obrigado por entender que as pessoas possuem histórias diferentes e momentos diferentes.
    Vc é 1000.
    Gui

    ResponderExcluir
  8. Joe, que bom que sua mãe aceitou! Pena que nem todas as mães são assim, tão legais.

    Agora, eu ri do "Ainda hoje é complicado (vide este blog inteiro)"! kkkkkk
    Você sempre consegue trazer humor aos posts. E isso é uma das mil coisas que me fazem sempre passar por aqui. Juro que esse blog pra mim já é como um vício!

    Abrações! E feliz aniversário de outing!

    - Marcel.

    ResponderExcluir
  9. @SG: você foi um dos que me fez enxergar que a minha realidade não era uma verdade absoluta, e que cada um é feliz como deve. Valeu! E sempre caminhando!
    Brigado.

    @Wans: Eu também acho que voltaria gay novamente. hehehe
    Sim, já vi seu post do pau preso no zíper. Quasei passei mal. Quando ouvi sua entrevista, na hora que você comentou dessa foto, eu corri no teu blog pra procurar. Vou pensar aqui se te mando o video ahahaha.
    Você é um fofo, cara, e vou aceitar sua oferta sim. Está aceita.

    @Daniel: Brigadão! E a foto é na verdade um print do video que eu comentei no blog. Sim, meu outing, embora não tenha partido de mim, foi uma decisão muito acertada na minha vida. Sou satisfeito por ter dito "sim". Obrigado!

    @Antonio de Castro: mas é um aniversário! aniersário de 8 anos, ué.

    @Luciano: poxa, que bacana! ainda bem mesmo! fico muito contente quando essa bagunça toda que eu escrevo toca na bagunça de outras pessoas, também.
    E adorei a foto nova! Seu rosto é muito simétrico, fiquei impressionado. hehehe

    @Rodrigo: brigadão, guri!

    @Gui: brigado! devo essa reflexão a você também, por ser um dos que me fizeram ver que a moeda tinha outra face. obrigado, eu, por você me ajudar a enxergar isso de forma mais wide. e você é um fofo.

    @Marcel: na época foi muito complicado, pq ela era daquelas que "respeita mas não aceita". ficava tentando me empurrar igreja goela abaixo pra me 'curar'. hoje as coisas estão mais tranquilas, ela nem esquenta com isso. como eu disse, vai tudo melhorando aos poucos.
    hehehehe meu blog é a prova de que nem tudo são flores, né? de que as neuras e as dificuldades permanecem, mas que a gente vai aprendendo a resolve-las melhor.
    brigadão pelo comentário, adoro seu carinho com minhas cartas.
    valeu!

    [j]

    ResponderExcluir
  10. Concordo com vc ... cada um tem seu time de vida ... eu me revelei e só me senti bem depois disto ... outros, no entanto podem perfeitamente viver sem isto ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  11. Velho, você é MUITO apaixonante! Sou teu fã!

    ResponderExcluir
  12. @Paulo: eu tmb nao teria avançado com a minha vida sem me assumir, foi das melhoras coisas que já fiz. Mas fico feliz de ter entendido que nao é assim pra todos.

    @Pedro: Ah para! Você é um guri fofo, vam marcar!

    [j]

    ResponderExcluir
  13. O meu outing vai fazer 02 anos, contei aos 23. Mas todos os meus amigos mais próximos já sabiam. Foi uma situação sufocante na qual eu não agüentava mais mentir para os meus pais, para mim mesmo e para os demais da família, sabe! Estava em um relacionamento e não queria mais ter algumas atitudes.
    Contei primeiro para a minha irmã. Lembro bem que foi num começo de noite nublada. Fui à casa dela angustiado, antes tinha ligado dizendo que queria conversar algo serio com ela. A chamei para caminhar no condomínio pq não conseguia falar sentado no sofá, chorei muito, mas ao final uma reação muito legal dela me surpreendeu, ela apenas disse: “eu te amo, meu irmão, não importa o que aconteça, você sabe que será difícil, mas estarei sempre ao seu lado. Sentiu o drama, né! Fui pra casa estacionei o carro e fui dar uma volta para pensar nas mudanças, debaixo de chuva mesmo. Nossa que alivio, pois consegui dar o primeiro passo agora eram os próximos, meu pai e minha mãe. Passei os dois dias mais tensos da minha vida, pensava em como contar, ensaiava, pensava apenas nisso o dia todo....
    No princípio pelo fato de estar namorando pensei estar fazendo pelos dois, mas hj vejo que fiz por mim mesmo, e isso é muito bom! Fiz por mim, por não querer mais mentir, seguir adiante, evoluir, sabe! Por mim, apenas.
    Aproveitei que minha mãe estava na sala, lembro-me exatamente do que passava na TV, a roupa que ambos estávamos vestidos. Não consegui contar para os dois ao mesmo tempo. Quando comecei: “Mãe preciso te contar uma coisa”, nossa eu mais chorava do que falava, mas consegui. Depois senti um alívio tão grande, por não mais mentir, enganar, ser claro e eu mesmo, principalmente. Minha mãe nada disse, apenas ouviu e disse que já sabia, mas que eu teria que contar para o meu pai, pois ela não falaria nada. Agora faltava o meu pai que era mais tenso. Passaram mais dois dias, tensos como igual ou pior, aproveitei que estava indo comprar pão com ele e contei ali no meio da rua, pois pensava caso ele fale alguma coisa ou venha pra cima de mim eu poderia correr....E foi a mesma coisa, chorei muito, mas contei.
    O mais triste foi que tive que sair, fui morar sozinho e hj apesar da saudade deles, estou bem, por ser eu mesmo....É a vida!

    ResponderExcluir
  14. eu diria q um bom "outing" é resultado de dois elementos: o momento certo + uma dose de coragem!

    Ter coragem na hora errada sempre dar merda. Assim como perder a oportunidade q surgiu por medo faz q com sintamos aquele gosto amargo de algo q não volta (tão cedo, pelo menos).

    abração

    ResponderExcluir
  15. Muito legal o post, no meu caso, nunca tive que fazer um outing ao pe´da letra, acho que foi um acordo mudo entre eu e minha mãe, claro que ela sabe de tudo e adora meu companheiro, e acima de tudo nos respeita, confesso que minha mãe me surpreendeu, e que isso sirva de lição de pra mim, a nunca duvidar das pessoas, elas são muito mais do que a gente imagina...
    Abraço!

    ResponderExcluir
  16. Espero um dia ser mas feliz do que sou hoje (assumindo publicamente)
    Muito massa o seu vídeo explicando, na internet é comum confundir as pessoas através de um simples foto,ou até vídeo né. Só não achei vocês dois parecidos kkkk.
    -Felipe Barbosa

    ResponderExcluir

© 2008-2017 wando joe [ from joe ]