quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Tanta coisa!

  Complicated by Popculture


"You're not easy to love, you're not easy to love
Why is everything with you so complicaaaaaaaaaateeeeed?"


Rihanna escreveu essa pensando em mim.

Eu ia contar isso no sábado, quando a música parecia ainda mais apropriada, porém, a história foi mudando com o passar da semana. Nem tive tempo de pensar no drama do cara da semana passada, de não saber explicar minha falta de interesse em ir pra cama com ele.

Não ia pra boate na última sexta. Mas fui. Já no meio da noite e depois de umas doses de vodca, ia chegar num urso barbado. Mas não cheguei. Passei por ele e encostei no bar, do lado de um loiro bonito. Terminei minha bebida, virei pra ele, rindo de qualquer coisa, e peguei no ombro dele. Nome, nome, beijo na boca. Até aí, tudo normal, eu estava ficando com um cara. Foi quando ele, no meio do papo, solta a frase que eu jamais imaginei ouvir tão cedo de alguém.

- É que eu não gosto de sexo.

WAT
Mesmo semi bêbado, eu não conseguia acreditar na coincidência. O cara tinha todos os atributos que eu precisava: loiro, gaúcho (com um lindo sotaque), beija bem, não quer sexo. E fazia apenas 2 dias que eu tinha cuspido aquele post nervoso.
Então ele foi atender uma ligação do pai e não voltou mais. Eu, bem no cio, me enrosquei com outro cara, muito proveitoso também. Mas voltei pra casa pensando na oferta rara que eu tinha perdido. Eu precisava ter pegado um contato do gaúcho. Aprendi a lição: quando a coisa começar a ficar boa, primeiro pega o telefone, depois o resto.

Sábado: eu, repassando a história na minha cabeça, me lembrando de todos os detalhes que ele me contou da vida dele; resolvi juntar as peças e usar a internet a meu favor, ou seja, stalkear. Cruzei três informações e achei o twitter dele. Pronto. Feito o contato, agora era combinar um novo encontro, antes da sua partida de volta para o Sul.

Terça, ele passou a tarde no shopping e eu combinei de ir lá conhecer o guri sem o intermédio do álcool. Durante a conversa, ele confirmou que não curte transar. Fiquei impressionado com minha habilidade de pescar logo ele, dentre todos os caras da boate. Insisti que ele me mostrasse as poucas sardinhas que tem nas costas, e em troca dei-lhe beijinhos à mesa do Outback. Essa coisa de beijar em público é muito interessante. A ideia não me assusta nem um pouco, pelo contrário. Mas o ato, na prática, ainda é esquisito. Dá um friozinho nos primeiros minutos, até que você, enfim, cria a coragem. Juro que, na minha cabeça, não tenho vergonha. Até que o momento chega e eu travo por alguns segundos, é difícil explicar.

Não iria para a boate nesta sexta. Mas vou. O guri volta pro RS no domingo, e preciso aproveitar esse achado enquanto posso. Nem me incomodo com essa coisa de a cada semana criar lembranças de um cara diferente. É superficial, mas eu curto o afeto enquanto dura, como se fosse pra valer. E depois não preciso sofrer. É que eu inverti muito as coisas. Quando adolescente, eu me apaixonava e sofria de amor não  correspondido. Hoje eu aproveito os casos de uma noite e sou feliz. Muita gente pode não entender, afinal eu não me aprofundo na experiência com o outro, mas essa fase de não me apaixonar tem me feito muito bem. É o que torna possível que eu, por exemplo, me encontre com um guri lindo, troque carícias e beijos com ele em público e ainda volte pra casa sem aquelas borboletas no estômago me atormentando. Aquela coisa de ver estrelinhas e ouvir sinos tocando ao longo de um beijo podem existir nestes casos de ficadas casuais, é só saber mantê-la. Não tenho me sentido culpado, embora, num plano geral, tudo isso pareça pura piranhagem. Tem me ajudado a amadurecer, no meu contexto. Estou satisfeito assim:

A vida é um buffet, a gente tem que chegar experimentando.

9 comentários:

  1. E continue satisfeito assim, sem se importar pro que dizem os outros. Porque a felicidade, quem sente é você!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Eu não tenho ideia se essas ficadas de uma noite poderiam me deixar satisfeito... mas também não vejo muitos benefícios em dores lancinantes de cotovelo...

    Vou experimentar, então.

    ResponderExcluir
  3. Rapaz,
    Pensava muito dessa forma em aproveitar as oportunidades para amadurecer e me conhecer não importando se a cada semana seria um cara diferente. E o sentimento que eu sentia por cada um naquele momento era único para mim, mesmo que depois ainda rolasse um novo encontro eu não criava expectativa e me entregava para o momento. E uma coisa eu lhe digo: valeu muito a pena!!! Pois não nos machucamos, sentia os sinos tocarem, os tremores e os nervosismos daquele momento, e só!

    Culpa?! Não pense assim, pois está sendo apenas egoísta consigo mesmo, com o que quer e como quer a sua felicidade, foda-se o resto, viva apenas! E piranhagem é uma forma também de amadurecimento e auto-conhecimento, pois na prática e que conhecemos novas formas de prazer com os outros e com nós mesmos, have fun!

    Sandro.

    ResponderExcluir
  4. O negócio é a gente sempre fazer o que tem vontade, desde que isso nao envolva matar, roubar ou prejudicar alguém. eheheh

    bjo moço!

    ResponderExcluir
  5. Porque todo mundo imagina que sou mais velho? haha

    Obrigado pelo coment! ^^

    ResponderExcluir
  6. Reza a lenda que nós temos fases. E quando a gente pula alguma no seu momento apropriado, tendemos a querer compensá-las em algum momento. É o que dizem, embora eu não acredito que funcione bem assim não Hahaha.

    O importante é estarmos satisfeitos conosco. Não que o que estejamos fazendo no momento seja o melhor. Mas pelo menos para aquele momento sendo, que mal tem? Deixa pra se amaldiçoar suas atitudes quando cair a ficha, e isso se tiver alguma ficha para cair.

    Só os fracos se arrependem :p. Os fortes pegam tudo que fazem na vida, assumem, e aprendem com suas atitudes. Hahaha brincadeira, com um fundo de verdade.

    Um beijo Joe!

    ResponderExcluir
  7. Nada de errado com um one-night stand. Vai chegar um dia que vocês vão querer repetir a dose. E depois repetir de novo. E de novo. E quando se derem conta já se passaram dez anos. Foi assim comigo. Acabou virando uma ficada de uma década. Por enquanto.
    Beijo!
    **

    ResponderExcluir
  8. ADORO ficar semi bêbado. É tão boa a sensação! E que bom que o loirão gaúcho correspondeu... já ia começar uma caça para te ajudar.

    ResponderExcluir
  9. Quase todos passam por uma fase de "piranhagem". Para alguns, ela dura pouco tempo, para outros...
    Joe, se está curtindo essa fase, se está satisfeito, é isso o que importa. Estar em paz consigo mesmo.

    Daniel de Brasília

    ResponderExcluir

© 2008-2017 wando joe [ from joe ]