quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

If u pinch me, I bruise; and right now, I'm bruised

Há quase dois meses tenho sentido algo que só há pouco comecei a compreender. Algo que muitas vezes já sofri no passado, mas cuja reflexão apenas agora começou a dar resultado.

Em certos casos, eu não consigo me desligar da pessoa, ainda que eu esteja ciente do quanto ela é errada e/ou prejudicial pra mim.

O último caso é destes. Ele me dá socos com uma mão e carinhos com a outra. E eu sou daqueles que se machucam fácil.

Ele me trata como se os 10 anos de diferença o tornassem melhor, e eu, a todo tempo, fosse aprendiz da vida. Ele me confunde, com teorias e "não se trata disso, mas daquilo", e depois avisa que o que eu digo é contraditório e que o confuso é ele. Ele quer que eu esteja disponível para conversarmos, entretanto, me larga em busca de assuntos e rebate com monossílabos. E chama minha atenção se eu não lhes respondo! E briga comigo por dizer "ok"! Ele me ofende com a desculpa de ser honesto e de saber o que quer. Ele sabe que não vai me querer, mas ainda assim me quer. E quando eu considero o conflito que estamos prestes a enfrentar adiante, ele me agulha, afinal, "isso não é uma relação".

E eu não consigo me desligar. Nunca imaginei que fosse me sujeitar a pancadas por tão pouco; mas ainda não consigo desistir. O que eu ainda protejo é mais uma ideia dele, que eu insisto em preservar.

Uma ideia que eu não consigo abortar.

Eu mesmo tentei repudiar meu comportamento; porém, sentei comigo, aqui dentro, e logo entendi que eu não quero ouvir críticas, só queria um consolo. Sei que está errado, e que dói; só não sei lidar.

9 comentários:

  1. Eu sei como é isso. É uma droga. Mas pessoas não são brinquedos que estragam e jogam fora. A gente acaba conectando. Não necessariamente de forma avassaladora, passional e doentida, mas sempre forma um vínculo. Sempre fiquei muito abismado com essas pessoas que conseguem se desfazer das outras com a maior naturalidade do mundo, como se não requeresse o menor esforço.

    Vem cá, dá um abraço.

    Beijo Joe!

    ResponderExcluir
  2. meu primeiro e único namoro ocorreu há 7 anos atrás. Ele mais velho, 7 anos de diferença. E não adiantava, tudo que eu fazia era por conta da idade e consequente "imaturidade". Já tratei até da situação no blog. Se eu sorria era por ser imaturo, se eu chorava era a idade juvenil corroendo entre as veias. Assim, preferi manter minhas veias juvenis a ficar eternamente com um véio.

    ResponderExcluir
  3. Olá Joe.
    Infelizmente essa história do "tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" não funciona muito bem no mundo real.
    Cada um é responsável por aquilo que sente e não dá para atribuir ao outro a responsabilidade de cuidar e sentir o mesmo por nós.
    Se cuida garoto e invista seu tempo com quem realmente vale a pena. Vc certamente tem qualidade incríveis que um monte de gente bacana deve estar afim de conhecer.
    Abraço / Guilherme

    ResponderExcluir
  4. dear joe...qdo vc chegar a gente conversa baixinho..rs...mas o assunto vai render muitooo...mas adianto..o problema não é você...é ele! e não por questão de idade mas de maturidade dele..ou a falta dela.

    bjo

    ResponderExcluir
  5. oh. you guys!
    muito obrigado pelas palavras! mesmo.
    tinha medo deste post. mas vejo que foi bom postá-lo.
    valeu, de verdade.

    [j]

    ResponderExcluir
  6. qdo não há entendimento e respeito é preferível ficar só mesmo ... só mas disponível para as oportunidades ...

    vai à luta queridão ... Sampa vai te fazer bem ...

    bjux

    ;-)

    ResponderExcluir
  7. Pessoas que se desapegam fácil de outras, na verdade, nunca realmente foram apegadas a elas.

    Sei bem que esquecer alguém tão querido não é fácil. Ainda estou sofrendo nesse processo. Mas, fazer o quê? Não há outra saída. Uma hora, passa.

    Um forte e apertado abraço.

    ResponderExcluir
  8. Infelizmente eu não tenho uma notícia muito boa. A gente nunca esquece. Vai aprendendo a conviver com a dor. Até o dia em que se acostuma com ela. Mas sempre vai chorar escondido no escuro do quarto quando sentir saudade daquele cheiro de pescoço encostado.
    **

    ResponderExcluir
  9. Uauu... sabe que eu já passei por isso?!
    Acredite, não há o que possa curar ou apagar tudo o que aconteceu... porém, há uma reconfotante e simples idéia "não querer estar lá".
    Tudo o que eu passei e tive que aguentar por tão pouco, quase nada, naquela época não me servia de nada, quero dizer, eu estava cego afinal. E eu sequer entendia porque amar alguém doía tanto... Mas se você quer saber, nada valeu mais a pena do que ver aquele rosto, na chuva, se esforçando pra conter as lágrimas quando, pela primeira vez, EU dava as cartas no jogo. Eu arranquei coragem de, sabe-se-lá Deus onde, e terminei o que nem deveria se chamar de namoro, e fazer aquilo doeu tanto... não foram dias sofrendo... foram semanas, meses... eu não digo que foi fácil, mas no final... passar por tudo aquilo me lembrou o quanto eu amo a mim mesmo, e o quanto nós podemos ser ingnificantes pras pessoas. Desde então, eu passei a ditar as minhas próprias regras...

    ResponderExcluir

© 2008-2017 wando joe [ from joe ]